Invasores – Filme



No longa, Tom Schilling é Benjamin, um jovem hacker que acaba entrando para um subversivo grupo de criminosos virtuais e acaba chamando a atenção de outros hackers pelo mundo. O filme original premiado no Festival Internacional de Cinema de Toronto (TIFF), chamou a atenção da Warner Bros. que detém os direitos para um remake do filme em língua inglesa que será produzido por Kevin McCormick através da Langley Park.

via: filmes online

“tudo pode ser hackeado, até pessoas podem ser rackeadas”

 

Crítica por Heverton Pablo: Para quem não assistiu a esse filme, está fazendo o que aqui ainda lendo esse post? rsss corra e vai assisti-lo.

Brincadeiras a parte, esse filme retrata um jovem hacker com grandes habilidades em invasão, mas o que gostei mesmo no filme, foi a abordagem em utilizar a engenharia social para os sucessos de suas invasões.
Uma frase que me chamou a atenção foi “tudo pode ser hackeado, até pessoas podem ser rackeadas” e eles fezeram uma demostração do que seria hackear uma pessoa usando engenharia social.

Ao meu ponto de vista, tudo que foi abordado no filme é plausível de ser realizar, diferentemente do filme perseguição virtual que comentei em um outro post que você pode conferir.

A cada dia, mês e ano que passar a tecnologia se fará mais presente e interconectados a rede, tornando ainda mas fácil para invasores ter informações em mãos. Veja nesse artigo que o site da exame.com fez sobre o Google, neste a exame.com relata sobre dados coletados com informações que ajudam à eles fazerem analise de seus perfis, mas se esses dados caírem em mãos erradas, pode ser complicado.

Assistam o filme e voltem aqui pra deixarem seus comentários a respeito dos métodos de invasão que foi abordado no filme.

Se gostou desse post de uma curtida lá do Facebook.

Forte abraço e até a mais um novo post.