Origem da expressão BUG

Os primeiros computadores eram gigantes e utilizavam válvulas, um exemplo claro foi o ENIAC, desenvolvido a pedido do exército dos EUA para seu laboratório de pesquisa balística, o ENIAC era um monstrengo de 30 toneladas de peso que ocupava uma área de 180 m² de área construída.

Crédito: Exército dos EUA
Crédito: Exército dos EUA

Como consequência, as salas nas quais ficavam em funcionamento os tais “monstros” (em comparação aos micros de hoje) eram abrigos perfeitos para insetos (“bugs” em inglês), causando grandes problemas.

Os bichinhos pousavam em alguma válvula ou chave, e morriam.

O primeiro caso de um bug (em inglês, um bicho tipo insecto) num programa. Uma traça encontrada no painel F do relé electromecânico 70 de um computador Mark II. Os operadores afixaram a traça no relatório dizendo que o computador tinha sido 'debugged', criando assim o termo computacional ainda hoje usado.
O primeiro caso de um bug (em inglês, um bicho tipo insecto) num programa. Uma traça encontrada no painel F do relé electromecânico 70 de um computador Mark II. Os operadores afixaram a traça no relatório dizendo que o computador tinha sido ‘debugged’, criando assim o termo computacional ainda hoje usado.

Iam se acumulando até que as coitadas das máquinas paravam de funcionar – pois não tinham a mesma tecnologia de hoje.

Quando descobriram a causa das máquinas pararem, ou seja, os insetinhos, acostumaram a chamar qualquer problema de BUG, originando assim a tão conhecida expressão.