Brasil se une à Coreia do Sul para trocar tecnologias

O Brasil vai buscar na nação com a maior velocidade média de internet experiências em economia digital para acelerar a adoção de governo digital no país. Para isso, assinará um acordo com a Coreia do Sul nesta quinta-feira (23) durante o Seminário Internacional Brasil 100% Digital, em Brasília.

O Brasil vai buscar na nação com a maior velocidade média de internet experiências em economia digital para acelerar a adoção de governo digital no país. Para isso, assinará um acordo com a Coreia do Sul nesta quinta-feira (23) durante o Seminário Internacional Brasil 100% Digital, em Brasília.

Com médias de conexão em torno de 22,2 Mbps, pouco mais de sete vezes a média do Brasil, segundo a Akamai, a Coreia do Sul é o parceiro ideal, na avaliação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. “[O país] tem um ambiente de redes muito avançados, além de aplicações muito desenvolvidas”, afirmou Virgílio de Almeida, secretário de política da pasta.

Tratado como colaboração tecnológica, o acordo visa incentivar a transferência entre empresas, universidades institutos de pesquisa dos dois país. O país asiático é lar de importantes empresas de alta tecnologia, como LG e a Samsung, que produz de celulares como o Galaxy S6 Edge a estaleiros e TVs de tela curva.

Já o Brasil tem a oferecer a escala de adoção de novas tecnologias. Almeida enumera entre os atrativos do Brasil o fato de ser o sexto maior mercado de tecnologia da informação do mundo, ter milhões de consumidores, além de ter aplicações próprias como a urna eletrônica e a declaração digital de imposto de renda.

Além desse acordo, o secretário conta que a Samsung assinará outro acordo com a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadoras (Anprotec), que reúne os grandes parques tecnológicos brasileiros.

Tops digitais
O seminário em que as duas parcerias serão firmadas tratará de ao redor do mundo de ações de governo eletrônico. O evento contará com representantes dos países líderes em governança digital, segundo índice da ONU. Além da Coreia, participarão membros dos governos de Austrália, Cingapura, Holanda e Estados Unidos.

Além deles, países que não despontam nesse ranking, mas também são fortes na digitalização de serviços públicos estarão presentes. Caso disso é a Estônia. “Lá, o cidadão resolve tudo com o governo pela internet. Ele possui uma identidade única na internet e offline. Reduziu totalmente a burocracia”, comenta Almeida.

Startup a serviço do governo
“O que a gente vê é que vários países avançaram e integraram essas aplicações”, diz o secretário, acrescentando que “a ideia é mostrar o estágio em que chegaram.” A partir das discussões expostas na conferência, o governo brasileiro pretende impulsionar a implantação de serviços públicos conectados.

“Temos visto que cada vez mais a possibilidade de usar essas tecnologias para oferecer novos serviços e as demandas da sociedade são algo em que o Brasil têm de investir e têm de explorar mais”, diz Almeida.

A ideia é lançar mão dos instrumentos já existentes para facilitar a migração do governo rumo ao mundo digital. Isso pode incluir um programa de startups para serviços do governo e usar os certificados de software nacional para empurrar o desenvolvimento de aplicações que venham a ser comprados pelo governo. A Casa Civil e o Tribunal de Contas da União também participarão dos debates, que também acontecem nesta sexta-feira (24).

Seminário Internacional Brasil 100% Digital
Onde
: Teatro do Hotel Royal Tulip, Brasília – DF
Quando: dias 23 e 24 de abril, das 8h30 às 18h30
Quanto: Gratuito, mas as vagas são limitadas (incrições encerradas)